Dia da Hortênsia

Você sabia que 29 de maio foi instituído o Dia da Hortênsia em Petrópolis? A lei número 5.123 de 2 de maio de 1994, criada por Ari Silveira, vereador da época, foi sancionada pelo então prefeito Sérgio Fadel. Mas, onde estão as hortênsias? A resposta é tão enigmática quanto a pergunta. As espécies de hidrângeas que coloriam os canteiros da cidade com seus inconfundíveis tons de azul, verde, rosa e lilás, existem apenas na memória de uma Petrópolis que um dia a acolheu como símbolo.

Curiosidade sobre Hortênsias

Muitas pessoas reclamam que adquirem mudas de hortênsia (Hidrangea macrophilla) de determinada cor e, com o passar do tempo elas mudam de cor: de azuis, as flores se tornam cor-de-rosa ou vice-versa. Por que isso acontece?

Na verdade, o índice de acidez e alcalinidade do solo pode realmente alterar a coloração dessas flores. O mistério funciona mais ou menos assim: em solos ácidos, ou seja, com pH abaixo de 6,5, surgem flores azuis; já em solos alcalinos, com pH acima de 7,5, surgem flores rosadas e até brancas. Podemos alterar o grau de acidez ou alcalinidade do solo, para determinar a cor das hortênsias. Para obter flores azuis, por exemplo, recomenda-se regar o canteiro duas vezes por ano com a seguinte mistura: 20g de sulfato de alumínio (pode ser substituído por pedra ume) diluído em 10 litros de água.

Para obter hortênsias cor-de-rosa, faça primeiro uma poda na planta, para ajudar a eliminar parte do alumínio contido nas folhas. Depois, transplante-a para um novo canteiro, já preparado com 300g de calcário dolomítico por m2.

Existe também a velha “receita da vovó” para intensificar o tom azul-violeta das hortênsias: colocar de molho em água alguns pedaços de palha de aço usadas e depois aplicar a “água enferrujada” nas regas semanais das hortênsias, alternando com outras regas normais.