Hortênsias - Simbolo de Petrópolis



DÉBORA MEDEIROS E MARISE SIMÔES

Ninguém sabe ao certo como as hortênsias surgiram em Petrópolis. Mas, segundo pesquisas, elas têm origem na China, passaram pela Europa e chegaram ao Brasil, no ano de 1840. Alguns dizem que as primeiras flores plantadas na cidade vieram com as esposas dos colonos, no século XIX. Porém, a versão de como elas se espalharam pelo município é que o primeiro prefeito de Petrópolis, Oswaldo Cruz, teria mandado plantar mudas da espécie. “As flores tornaram-se a atração da cidade”, diz o médico Laert Goulart, cultivador da flor e “expert” no assunto.

As hortênsias se adaptaram bem ao clima de Petrópolis. Outro fator que ajudou as plantas a estarem sempre bonitas, era o estrume dos cavalos das carruagens que servia de adubo para elas. “Como as carruagens deixaram de ser o principal meio de transporte da cidade e houve um desinteresse por parte das autoridades, as hortênsias foram sumindo das ruas”, explica o médico.

Com isso, a cidade perdeu o colorido das flores em suas principais ruas e avenidas. Alguns prefeitos, como Paulo Rattes, tentaram investir no plantio, mas as flores não vingaram. Fatores climáticos? Falta de técnica? É um mistério para os botânicos desvendarem. “Em 1947, quando Petrópolis começou a ser modificada para o centenário e elevação à categoria de cidade, as hortênsias eram a flor símbolo da cidade”, conta Joaquim Eloy dos Santos, historiador.

Existem quase 15 variedades de hortênsias, entre elas as que estão sendo cultivadas em estufa na cidade de Hamburgo (Alemanha), e que possuem uma cor avermelhada, além das espécies em arbustos e em trepadeiras. A tonalidade das flores vai depender do tipo de solo. Em Petrópolis, por exemplo, como o solo é ácido, as mais comuns são as que possuem tons azulados. Já as nascidas em solo alcalino, como veremos mais adiante, possuem tons avermelhados.

Quanto ao cultivo, é no mês de julho que as folhas costumam cair. O período é indicado para a poda pois, se observamos bem, no ápice só é possível ver as pétalas. Porém, em agosto, elas voltam renovadas com um viço especial. Outros fatores que interferem no processo de florescimento é a adubação e a limpeza. O simples ato de retirar os galhos que não nascem é fundamental para que a flor tenha energia. Outra curiosidade é que a hortênsia não deixa que outra planta se desenvolva próximo a ela.
Consultoria – Dr. Laerte Goulart, médico e cultivador de hortênsias.

LEGENDAS
1- Tonalidades avermelhadas são mais comuns na Alemanha
2 - Em julho, elas começam a mudar a tonalidade e as pétalas caem

Por: DÉBORA MEDEIROS E MARISE SIMÕES