Dia dos Namorados

O dia dos Namorados começou a ser celebrado no século III, após a morte do sacerdote São Valentim. Na época, o imperador de Roma, Cláudio II (o culpado de tudo!), queria que os homens se alistassem como vonluntários para a guerra, mas em função da família e dos filhos, o número de alistamento era muito baixo. Somente os solteiros se dispunham a morrer em combate. Observando isso o imperador decretou uma lei que proibia os homens de se casarem, sob pena de morte para quem descumprisse a ordem.


Os jovens namorados ficaram revoltados com a determinação de Cláudio. Além deles, o sacerdote Valentim também não concordava com a imposição do imperador romano e resolveu celebrar os casamentos clandestinamente. As cerimônias eram realizadas em salas com pouca iluminação, para não chamar atenção dos guardas romanos. Numa determinada noite, os soldados surpreenderam o sacerdote durante a celebração de um casamento.


Os noivos conseguiram escapar, mas Valentim foi preso e condenado a morte. Durante os dias em que esteve aprisionado, vários apaixonados passavam pela janela da cela do sacerdote e jogavam flores e mensagens dizendo acreditar no poder do amor. Uma das jovens era filha do carcereiro e conseguia visitar Valentim. No dia de sua execução, o condenado agradeceu as conversas com a amiga através de uma carta, fazendo com que muitos acreditassem que ele havia se apaixonado pela moça.


Essa mensagem teria iniciado a prática dos namorados trocarem mensagens de amor. A execução do sacerdote aconteceu no dia 14 de fevereiro do ano de 269, data em que passou a ser comemorado o Dia dos Namorados. No Brasil a data é comemorada no dia 12 de junho, às vésperas do Dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro.