Stella Nienhaus e a troca de pães, narrada por sua filha Ana Paula Ligeiro


Por: Ana Paula Ligeiro


Cresci ouvindo Mami contar de como ela e a sua amiga de infância Maria Prata trocavam pães .... 
Elas tinham menos de 10 anos... Mami nasceu e morou no Cremerie até casar com meu pai... o Hotel e todo o complexo era do tio Miguel Sixel, casado com tia Carolina ,irmã do vô Alberto pai dela, e Maria morava nas imediações... Brincavam sempre juntas, a vida era no parque...Mami remava muito bem e passeavam sempre nos barcos do lago...
Mas a estória dos pães: Mami adorava pão francês mas só tinha pão alemão em casa...e Maria aguava o pão da minha avó....então elas sempre trocavam pães que deixavam embrulhados embaixo da pedra do lado de uma das cercas do hoje Parque Cremerie. Eu amava quando Mami contava essa estória....
As duas casaram, a vida de repente fez elas perderem o contato....ficaram sem se ver por quase 60 anos.... Maria conseguiu o telefone de Mami há uns 2 anos...ligava, marcava mas nunca vinha porque tinha vergonha , dizia que nossa casa era casa de rico e tal , mas quem nos conhece sabe o quanto ficávamos passadas com isso... Mami insistia e ela nada...
Semana passada ela ligou pra saber de Mami e tive que ser inflexível : “ Maria ,chega de bobeira e vem logo por favor .”
E quinta feira ,ela veio....
Choraram à beça...se abraçaram muito, contaram mais histórias.... Mami com 83...ela com 85... e como sou a guardiã das fotos antigas da família , mostrei um montão de fotos do Hotel Cremerie...o Parque , o lago, os barcos e elas iam reconhecendo os caminhos e enfim acharam nas fotos a tal cerca onde trocaram os pães......Aí eu também chorei.... foi um momento super especial...
E sei que veio dela, de Mami , esse amor pelos amigos....nós sempre tivemos muitos....e sabemos o quanto eles são importantes na nossa vida...passe o tempo q passar....amizade de verdade...nunca morre...