Festa Junina


Antigamente o Clube do Bingen, todos os anos realizava uma grande festa junina e as famílias locais prestigiavam este evento em massa. Era sempre uma grande oportunidade das famílias se encontrarem para festejar e conviver.
A sede ficava onde hoje se encontra um grande Shopping Center no Quarteirão Darmstadt. Do lado de fora era erguida uma grande fogueira e no interior do Clube acontecia o baile, onde todos, de qualquer idade e caracterizados de “caipiras”, dançavam ao som das bandinhas.
Dona Kreta e Dona Hanna, ambas viúvas, estavam no interior do salão apreciando as danças, quando lá pelas tantas Dona Kreta resolveu ir dançar. Na época, as senhoras usavam um casacão grande e comprido por cima dos vestidos que elas chamavam de “capotas” para se protegerem do frio pois em pleno mês de junho aqui na Serra, fazia muito frio e os invernos eram bem mais rigorosos que hoje.
Dona Kreta então levantou-se, tirou o casaco e disse para a amiga Hanna: “Hanna, secura meu capota porque tá calor”. E lá se foi Dona Kreta para a pista de dança.
Alguns segundos depois ela retorna e diz para a amiga: “Hanna, me defolve meu capota porque minha festida tá rasgada na traseiro”.
A amiga lhe dá o casaco, ela pega, pensa um pouco e em seguida o devolve dizendo: “Sabe de um coisa Hanna? Eu não fai potá capota. Não faz mal se minha festida tá rasgada na traseiro porque hoje é festa dos caipora”.
História coletada por Anne Grotz, narrada por Ildefonso Troyack