Onça vegetariana


No início da colonização, os alemães em Petrópolis tiravam seu sustento das terras que ocupavam. Assim também, o Sr. Pedro possuía um prazo de terra no Quarteirão Darmstadt. Lá plantava batatas, feijão, milho e tinha também uma pequena horta. Criava porcos, galinhas, cabras e algumas vacas leiteiras. As casas eram poucas e havia grande região de mata, com onças que ameaçavam a criação doméstica. Certo dia, o filho do Sr. Pedro, o Jacob e seu primo que também se chamava Jacob, estavam tomando conta dos animais, quando avistaram duas onças, já prontas para o ataque. Armados de pedaços de pau e porretes, partiram para cima delas, até elas desmaiarem. Em seguida, pegaram uma corda e amarraram os rabos das duas bem forte e foram embora. Ao chegarem em casa e relatarem o fato ao Sr. Pedro, este ficou muito zangado. – “Voces não poderiam ter feito isso. E agora, como elas vão caçar para sobreviver?” E como castigo, obrigou os meninos á alimentar as onças, evitando naturalmente, a carne. E a partir daquele dia, os dois meninos todos os dias mata adentro, alimentar as onças com legumes, capim e muitas frutas. Certo dia, os dois meninos chegaram na mata e encontraram um macaco que com pena das pobres onças, desamarrava seus rabos. Conta a lenda que quem encontrar uma onça em Petrópolis, não precisa ter medo. Onça daqui não come carne alguma, nem de macaco. Onça petropolitana é vegetariana.
História coletada por Anne Grotz, narrada por Ildefonso Troyack