No AC, alunos coletam mais de meia tonelada de garrafas pet em projeto.

No AC, alunos coletam mais de meia tonelada de garrafas pet em projeto.

Seguindo o nosso objetivo de não seguir os catastrofistas ambientais e os pessimistas de plantão, trago aos queridos ouvintes do A Alemanha e a Música-Minutos de Sustentabilidade, mais uma boa notícia que vem daqui mesmo, de nosso Brasil, lá do longínquo Estado do Acre, Amazônia. Temos muitos bons motivos para crer num futuro sustentável do planeta. Vejam só essa notícia que nos enche de esperança..
Como parte da disciplina de biologia, os alunos da escola Clícia Gadelha coletaram mais de 3 mil garrafas pets das ruas de Rio Branco, somando 510 quilos. A ação fez parte de uma competição em que o grupo que arrecadasse mais garrafas seria o vencedor. Mas a causa foi maior que a disputa.
Conscientizar os alunos sobre a destinação do lixo e a reutilização de materiais considerados descartáveis foi o principal objetivo da professora Giuliana Santi ao lançar o desafio aos 20 alunos do terceiro ano do ensino médio, no final de julho deste ano.
Todas as garrafas serão doadas para a ONG SOS Amazônia, que ajudou na pesagem do material. A entidade vai vender o produto para reciclagem e converter para uma campanha de proteção de quelônios no Alto Juruá.
“A gente quer mostrar onde a população descarta esses materiais, nas margens de igarapés, contribuindo para alagações futuras e para eles verem que todo o material que a gente descarta pode ter uma utilidade”, afirma.
Superando as expectativas e objetivo principal da professora, a aluna Clicia Alves Felisberto, de 16 anos, conta que a atividade ajudou na convivência em grupo e na comunicação entre a vizinhança e familiares.
“Aprendi a socializar com o grupo e a ser mais comunicativa com a família, porque passamos a fazer uma conscientização com eles. Eu conversei com meus pais, expliquei a importância e eles começaram a me ajudar. Também pedíamos para as pessoas nas casas e elas ajudaram muito com as garrafas”, explica a aluna.
No bairro São Francisco, o projeto teve o nome de “São Francisco sem Pet” e fez os alunos coletarem o lixo jogado nas ruas e, até nas margens do igarapé, que recebe o mesmo nome do bairro. “A gente entrava nos terrenos baldios, na beira do igarapé, e no meio da rua mesmo. Tem muito lugar com bastante lixo. O legal é que já percebemos uma diferença na limpeza do bairro”, afirma Clícia.
A professora também aproveitou para abordar os problemas desse lixo contextualizando com uma realidade que os acreanos vivem com frequência: a enchente do Rio Acre. Giuliana espera também que, com a campanha, outras escolas e pessoas se motivem e percebam a eficácia do projeto, que trata, principalmente, de uma mudança de hábito e conscientização ambiental.
Projeto Quelônios do Juruá – O projeto Quelônios (nomes que agrupam todas as formas de tartarugas identificadas no mundo) do Juruá é realizado pela ONG SOS Amazônia desde 2003 com o objetivo de garantir a conservação das espécies de tartarugas, tracajás e iaçás na região do Vale do Juruá.
De acordo com a instituição, aproximadamente 18 mil quelônios foram devolvidos à natureza, mas ainda é considerado um baixo número para a ONG.
Durante 2010, a campanha teve apoio de outras organizações, mas, atualmente, conta com a equipe da organização e com voluntários que se identificam com a causa, como a professora Giuliana. “É um projeto muito legal e eu, como professora de biologia, trabalhando com eles sobre ecologia, pensei em envolvê-los nesse sentindo. A gente vê muita garrafa pet, todo mundo compra, usa, bebe, joga fora e elas têm um destino bem melhor”, afirma. (Fonte de pesquisa: AmbienteBrasil e Portal G1.Compilado por Marcos Carneiro)