Um exemplo de ação socioambiental sustentável que vem do Maranhão

Uma ação voluntária de beneficiários do Programa Bolsa Verde, iniciada em 2012, na ilha de Caçacueira, na Reserva Extrativista Cururupu (Maranhão), tem mudado a relação da comunidade local com a conservação ambiental. Os 633 beneficiários do Bolsa Verde na região participam, uma vez por mês, de mutirões de limpeza nas 13 ilhas que fazem parte da reserva.
De acordo com o gestor da Resex, Eduardo Borba, nenhuma das ilhas possui mananciais e a única fonte de água doce são os lençóis freáticos. Esse tipo de ação, segundo ele, além de proporcionar bem-estar para a população e fazer com que ela se sinta parte do processo de preservação, tem um impacto ecológico importante pois protege os lençóis freáticos.
Embora tenham começado de forma voluntária, os mutirões de limpeza, denominados “Projeto Comunidade Limpa”, foram vinculados como contrapartida do programa Bolsa Verde. Segundo Borba, quando percebida, a ação foi conduzida como pauta no Conselho Deliberativo da Resex em 2014, quando ficou condicionada à participação de todos os beneficiários do programa nos mutirões de limpeza.
Borba informa que as ações são organizadas pelos próprios moradores e acontecem, geralmente, nos dias de lua cheia ou nova. “Eles se organizam de acordo com a fase da lua por causa da interferência nas marés”, explica.
O gestor conta que o Projeto Comunidade Limpa, “além de gerar mais organização e envolvimento, estimula a relação de pertencimento à comunidade, o que acaba gerando um exemplo bastante positivo para os demais moradores e coibindo más práticas”.
Conscientização - A moradora da ilha de Caçacueira Maria de Fátima Carvalho, 43 anos, participa de todas as ações de limpeza nas praias. Segundo ela, antes dos mutirões começarem, além dos turistas, os próprios moradores descartavam os resíduos de maneira incorreta. “Agora a comunidade foi conscientizada e estamos sempre de olho”, garante.
Maria de Fátima é beneficiária do Programa Bolsa Verde e conta que tem aprendido bastante sobre a importância da limpeza, preservação e conservação na região. “Fiscalizamos se todos estão fazendo sua parte e os benefícios são visíveis. Podemos até andar descalços na praia sem preocupação”, afirma.
A reserva – A Resex Cururupu é administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e conta com apoio do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) para o desenvolvimento de suas atividades, como as de mitigação de impactos em ambientes vulneráveis. Localizada nas Reentrâncias Maranhenses, na porção Ocidental do litoral, a Resex possui dentro de seus limites a maior área de manguezais preservados dentro das unidades de uso sustentável do Brasil.
São 13 as comunidades que fazem parte da reserva: Mangunça, Caçacueira, Peru, São Lucas, Guajerutiua, Valha-me Deus, Porto Alegre, Iguará, Mirinzal, Retiro, Porto do Meio, Bate-Vento e Lençóis, com um total de mais de cinco mil habitantes.
O Bolsa Verde – O Ministério do Meio Ambiente (MMA) é o órgão responsável por coordenar, executar e operacionalizar o Bolsa Verde, programa que apoia a superação da pobreza em unidades de conservação de uso sustentável, projetos de assentamento e outras áreas rurais, incentivando a conservação do meio ambiente e valorizando as comunidades que ajudam a manter a floresta em pé.
O programa concede R$300, de três em três meses, a famílias em situação de extrema pobreza que desenvolvam atividades de conservação de recursos naturais no meio rural. Para poder ter acesso ao Programa, a renda per capita familiar deve ser de até R$ 85.
De acordo com o gerente de projeto do Departamento de Extrativismo do MMA, Leonardo Pacheco, a ação do Grupo Verde, em Cururupu, está diretamente vinculada à condicionante do programa. “Este ano investiremos na qualificação do Bolsa Verde, principalmente nas ações de monitoramento, capacitação e apoio ao acesso às políticas de inclusão produtiva. Temos a expectativa de estimular a realização de atividades de conservação diretamente desenvolvidas pelas comunidades, como o “Grupo Verde”.
Segundo o gerente, o trabalho desenvolvido em Cururupu “também aumenta a coesão das comunidades e o desenvolvimento de ações relacionadas ao objetivo de criação das unidades de conservação”. (Fonte: MMA)